Teste de audição – Você está ouvindo bem?

audição humana

Não é preciso dizer que uma boa audição é fundamental para quem trabalha com gravação e produção de áudio. Por outro lado, é extremamente necessário dizer que a sua audição pode estar sendo prejudicada diariamente sem que você perceba. Neste artigo veremos os principais problemas auditivos dos músicos e o que fazer para se proteger, além do teste de audição.

POLUIÇÃO SONORA DISFARÇADA

O mundo atual é muito barulhento, repleto de sons em níveis nocivos para a audição humana: trânsito de veículos, máquinas, indústrias, etc.  Infelizmente essa é nossa realidade.

Até aqui nenhuma novidade. Todo mundo sabe que esses sons são prejudicais (e desagradáveis), podendo ocasionar não só problemas de audição mas também outros problemas de saúde, como: estresse, insônia, dores de cabeça, etc.

O que muito pouca gente tem consciência (ou não quer ter) é que os “ambientes recreativos” também estão repletos de poluição sonora, em níveis tão prejudiciais quanto os ruídos aqui já citados.

Shows, ensaios de banda, festas (inclusive as infantis!), queima de fogos, alguns instrumentos musicais (como a bateria e o trompete), etc.  Tudo está repleto de ruído ensurdecedor.

Não tenha dúvidas de que você está prejudicando permanentemente a sua audição sempre que se submete a eventos desse tipo. Muitas vezes a pessoa só percebe que está perdendo audição quando ela já está num nível avançado e começa ter dificuldades com a comunicação verbal.

Isso acontece porque a perda de audição não ocorre de maneira uniforme em todo o espectro de sonoro da audição humana (de 20 à 20 mil Hertz). Em geral a pessoa começa perdendo na região aguda (acima de 8kHz), sendo que, para chegar a prejudicar a comunicação verbal, a perda tem que chegar perto dos tons médios (em torno de 3kHz) que é onde se encontra a faixa de frequência principal para a inteligibilidade da voz humana.

ALÉM DA PERDA DE AUDIÇÃO

Os problemas auditivos decorrentes da exposição a sons muito intensos por longos períodos não se resumem a perda de audição. Problemas como a hiperacusia (hipersensibilidade auditiva, com dor) e tinnitus (zumbido no ouvido) também são comuns nesses casos.

Nota: Eu sofro dos dois problemas acima (tinnitus e hiperacusia) e posso dizer que é muito desconfortável. Quem convive comigo sabe que eu tenho sérios problemas com sons de alto volume.  Tenho sempre um protetor auricular à mão. Ir a uma festa infantil sem os protetores, para mim, é um grande sofrimento…

COMO SE PREVENIR

Para preservar sua audição você deve usar protetores auriculares sempre que estiver em um ambiente barulhento, independentemente se são ruídos desagradáveis (como ruído de máquinas) ou agradáveis (música, por exemplo).

Nas situações onde você não puder usar protetores auriculares, evite ficar exposto ao ruído por muito tempo.

Também é importante dar repousos a sua audição, com intervalos prolongados de silêncio ou sons suaves. Principalmente após longos períodos de exposição a níveis elevados de pressão sonora.

Evite usar fones de ouvido com o volume muito alto (o que acaba acontecendo quando você tenta ouvir musica num ambiente barulhento, como num ônibus). Por isso, prefira os modelos que isolam o som externo.

Dica: quando você esquecer o seu protetor auricular, use um pedaço de algodão molhado (seco não adianta nada). Não é a mesma coisa que um protetor, mas quebra um galho numa emergência. (Aprendi isso com o amigo Marcos Motta)

TRATAMENTO

[Atenção: Sabemos que o otorrinolaringologista é o profissional capacitado para indicar o tratamento adequado para problemas de audição. Porém, sendo a hiperacusia e o zumbido problemas que não matam o paciente, parece que existe uma certa “indisposição” na busca por soluções… De qualquer forma, procure seu médico.]

Existem diferentes tipos de perda auditiva, sendo que a mais comum entre músicos é a perda causada por danos no ouvido interno, chamada perda auditiva neurossensorial, causada principalmente por ruído excessivo (como já foi visto aqui) e por envelhecimento natural.

Infelizmente, a perda auditiva neurossensorial é quase sempre irreversível. Sendo indicado o uso de aparelhos auditivos ou implante coclear nos casos mais graves.

Para o caso de perda leve de audição, apenas em algumas frequências, o tratamento com estimulação acústica talvez seja uma solução parcial.

Existe um software, o Hearing Guardian, que promete “proteger e aumentar a capacidade auditiva por meio de sinais acústicos”.  O tratamento é feito através do computador: a pessoa deve instalar o software e fazer pelo menos 2 sessões de 30 minutos por dia com fone de ouvido. Ele também promete amenizar problemas de hiperacusia e tinnitus.

Nota: há alguns dias comecei a usar a versão de demonstração do Hearing Guardian para ver se dá algum resultado. Depois dos 30 dias eu vou relatar para vocês a minha experiência. Se mais alguém quiser fazer o teste e me contar a experiência, ficarei grato! 

TESTE DE AUDIÇÃO

[Atenção: Os testes disponíveis abaixo não substituem de forma nenhuma o exame de audiometria, que é o exame usado pelos profissionais de saúde para avaliar a audição de um paciente.]

Existem vários testes de audição na internet. Geralmente são testes que verificam a capacidade de compreender palavras pronunciadas juntamente com um ruído de fundo. Aqui estão alguns dos mais interessantes: teste BIOSOM, teste SIEMENS, teste PHONAK.

Aqui no Clube do Home Studio eu preparei um teste de audição baseado em tons puros (tom puro: onda senoidal perfeita, possuindo uma única frequência e desprovida de harmônicos), onde eu disponibilizo várias frequências para se ouvir com um fone de ouvido (decente) e verificar quais delas ainda estão sendo percebidas pela audição.

ATENÇÃO:

1 – Os testes aqui disponíveis não substituem de forma nenhuma o exame de audiometria, que é o exame usado pelos profissionais de saúde para avaliar a audição de um paciente.

2 – É importante que o seu fone de ouvido seja capaz de reproduzir as frequências. Caso contrário, nenhum som será emitido e você, obviamente, não ouvirá nada.

3 – Apesar do espectro sonoro audível ser considerado de 20Hz até 20kHz, são poucas as pessoas que conseguem ouvi-lo por completo. Os região média é bem mais facilmente percebida pelo ouvido, em comparação com os extremos do espectro (graves e agudos). 

4 – Se você não conseguir ouvir as frequências mais altas, não se assuste. É normal que exista uma perda de agudos com o avanço da idade. Além disso, existe pouquíssima informação útil acima de 15kHz. Em caso de dúvida, consulte seu médico.

5 – Todas as frequências abaixo estão no mesmo volume. Porém, é normal que em algumas frequências o volume percebido seja menor. Aumente o volume do seu computador (ou smartphone), se precisar.

6 – Optei por não colocar os tons graves pelo fato de ser mais difícil a sua reprodução nos fones de ouvido e por ser uma região menos propensa à perdas auditivas por ruído excessivo.

Frequência: 4kHz

Frequência: 6kHz

Frequência: 8kHz

Frequência: 10kHz

Frequência: 12kHz

Frequência: 14kHz

Frequência: 15kHz

Frequência: 16kHz

Frequência: 17kHz

Frequência: 18kHz

Frequência: 19kHz

Frequência: 20kHz

E então? Até qual frequência você conseguiu ouvir?
Deixe seu comentário abaixo!

  • Eu só consigo ouvir, com dificuldade, até 18kHz.

  • Matheus Vieira

    Só consegui até o 15kHz. Depois disso continuei ouvindo ruído, mas não uma nota. Será que meu fone não conseguiu reproduzir ou eu tô ficando surdo? Usei um fone golden, uma imitação nacional do Porta Pró com um som bem parecido.

  • Esses ruídos acima de 16kHz são estranhos. Seria bom fazer o teste com um outro fone para garantir. Se bem que ouvir até 15Khz não é nada mau.

  • Armando Santiago

    Consegui até os 20kHz, mas são muito parecidas as frequências de 18kHz em diante.
    A partir dos 17kHz fica um pouco mais baixa a intensidade do som.

  • Petrucio Lago

    CONSEGUI OUVIR ATÉ O 20, MAS APENAS NO 18 OUVI RUÍDOS!